NUT CÁVADO

 Caraterização


O concelho de Vila Verde situa-se na região Norte (NUT II), sub-região do Cávado (NUT III). A zona Cávado limita a norte com o Minho-Lima, a leste com o Alto Trás-os-Montes, a sul com o Ave e com o Grande Porto e a oeste com o Oceano Atlântico. Compreende 6 concelhos: Amares, Barcelos, Braga, Esposende, Terras de Bouro e Vila Verde. Com uma área de 1242,6 Km2 e com uma população, cerca de 410 mil habitantes, a NUT do Cávado tem uma densidade populacional de cerca de 316 habitantes por Km2.

Os dados históricos e culturais têm influência sobre o atual perfil sociodemográfico: o Cávado é caracterizado pela grande fragmentação das aglomerações. Esta é à base das migrações internas na região desde as pequenas aldeias e alojamentos isolados, que se concentram no interior, até os centros maiores.

O fenómeno deixa um património de recursos habitacionais não utilizado mas que pode ser útil para uma estratégia de desenvolvimento da região baseado sobre o turismo agrário e natural, ligado à presença do Parque Nacional da Peneda-Gerês.
O principal dos recursos hídricos é o rio Cávado, que dá o nome à região. É um rio do norte de Portugal que nasce na Serra do Larouco, a uma altitude de cerca de 1520 metros, passa por Braga, Barcelos e desagua no Oceano Atlântico junto a Esposende, após um percurso de 118 quilómetros.

O Sistema Cávado–Rabagão–Homem (dois afluentes) é composto por várias barragens implantadas nesses mesmos percursos fluviais para aproveitamentos hidrelétricos.

Parque Nacional da Peneda-Gerês inserido na NUT CÁVADO

O Parque Nacional da Peneda-Gerês constitui um elemento de qualidade nos preciosos recursos paisagísticos, numa relação potencialmente inversa com a baixa densidade populacional do interior.
A NUT do Cávado apresenta uma estrutura produtiva que denota uma especialização importante em sectores mais tradicionais.
As principais atividades económicas segundo o volume de emprego são em primeiro lugar a indústria transformadora (têxteis, do vestuário e do couro); a indústria relacionada com a produção da eletricidade, gás e água; o sector da construção e obras públicas. Depois os setores do comércio por grosso e a retalho, restaurantes e hotéis.

O Cávado não tem grandes concentrações populacionais. Tem dois concelhos de grandes dimensões (Braga e Barcelos) mais quatro concelhos de dimensão intermédia pequena (Vila Verde, Esposende, Amares, Terras de Bouro).
 O mais pequeno concelho, Terras de Bouro, fica também mais no interior do país. Os dados mostram que o único concelho que tem valores negativos em termos de crescimento da população é o de Terras de Bouro. Os outros cinco concelhos encontram crescimento proporcional com as próprias dimensões.

Falando sobre a repartição da população por grandes grupos etários todos os concelhos do Cávado têm uma presença positiva de jovens na faixa jovem dos 0 aos 24 anos, em relação ao resto do país.
 O índice de renovação da população em idade ativa é muito superior no Cávado que em Portugal (143).
O concelho de Terras do Bouro é o único com um índice de envelhecimento superior à média nacional e com um elevado índice de dependência dos idosos. A taxa de desemprego no Cávado em geral é ligeiramente superior ao continente, com o concelho de Terras de Bouro a ter a maior percentagem. A taxa nos homens é muito menor em relação ao país, mas as mulheres tem valores elevados em Terras de Bouro e

Amares. Os sectores de atividade com mais trabalhadores são os mesmos que no resto do país sendo que as mulheres trabalham mais nos sectores da Administração Pública, Defesa e Segurança Social, Serviços Prestados Principais às Empresas.

 A NUT do Cávado apresenta uma estrutura produtiva que denota uma especialização importante em sectores mais tradicionais.
 Com efeito, por um lado, o emprego por conta de outrem concentra-se sobretudo em três sectores básicos - "Indústria Transformadora", o "Comércio por Grosso e a Retalho, Restaurantes e Hotéis" e a "Construção e Obras Públicas".

"Há sítios do mundo que são como certas existências humanas: tudo se conjuga para que nada falte à sua grandeza e perfeição. Este Gerês é um deles."

Miguel Torga


Classificação da NUT do Cávado

Pontos fortes da NUT do Cávado:
Presença do "Parque Nacional da Peneda-Gerês", único parque natural nacional português, como elemento qualidade e natureza.
Forte dinâmica demográfica com uma boa taxa de crescimento.
Estrutura etária jovem da população
Entre 1991 e 2001, o volume de emprego por conta de outrem nos sectores secundário e terceário cresceu cerca de 34,5%, taxa muito superior aquela que se observa no resto do continente.
A idade média do trabalhador (33 anos), embora crescente, continua inferior à média verificada no país o que favorece a sua adaptação às mudanças de natureza organizacional e tecnológica.
Participação do emprego feminino.
Elevada capacidade de criação de emprego por parte das Pequenas e Médias Empresas (PME).
Comércio Internacional, nomeadamente sobre o sector têxtil e do vestuário.
Esforço financeiro relevante com atividades de natureza cultural.

Pontos fracos da NUT do Cávado:
Taxa de desemprego feminina é mais elevada que a masculina.
Baixo nível de escolarização dos trabalhadores por conta de outrem, que se reflete em valores menos favoráveis no ganho médio mensal.
O ganho médio mensal das mulheres é inferior ao dos homens.
Sector terceário relativamente menos desenvolvido.
O crescimento relativo do emprego nas pequenas e médias empresas, apesar dos seus aspectos positivos na criação de emprego, é, em princípio, um fator a que pode estar associado maior instabilidade do emprego e menos ganhos.
A percentagem do emprego nas grandes empresas(200 ou mais trabalhadores) é muito inferior à média do Continente.
A posição periférica da NUT III Cávado.
O numero de Centros de Saúde, Extensões de Saúde e postos médicos por 100 mil habitantes continuam a apresentar valores inferiores à média apresentada no Continente.